sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Eu acho engraçado o poeta da praça


[Dimas Batista]


Eu acho engraçado o poeta da praça
Que passa dois anos compondo um soneto
Com um ano de luta é que finda um quarteto
E quando termina é ainda sem graça
Com tinta e papel o esboço ele traça
Contando nos dedos pra metrificar
Que noites de sono ele perde a pensar
A fim de fazer tão fraco produto
Que desses eu faço, dois, três num minuto
Cantando galope na beira do mar


[Epígrafe do livro Sonetos de cantadores, Nonato Costa e Zózimo Tavares (org). Teresina: Gráfica do Povo, 1996.]

2 comentários:

Lucas Felipe disse...

HAHAHAHAHAHAHAHA. Esse foi show.

mariarodrigues disse...

Muito bom!
O blog também.
Parabéns!

maria