quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Ilíada e Odisséia de Homero

[Alberto Manguel]


(...)

Nada sabemos sobre Homero. Acontece o contrário com seus livros. Num sentido muito real, a Ilíada e a Odisséia nos são familiares antes de abrirmos suas primeiras páginas. Antes mesmo de começarmos a acompanhar as mudanças de humor de Aquiles ou admirar a esperteza e a coragem de Ulisses, aprendemos a presumir que, em algum lugar nessas histórias de guerra no tempo e de viagem no espaço, nos será contada a experiência de toda luta e toda travessia humanas. Duas de nossas metáforas mais antigas nos dizem que toda vida é uma batalha e que toda vida é uma jornada; se Ilíada e Odisséia beberam desse conhecimento, ou se essa sabedoria foi tirada da Ilíada e da Odisséia, isso, afinal, não tem importância, uma vez que um livro e seus leitores são espelhos que refletem um ao outro infinitamente.
(...)



(MANGUEL, Alberto. Ilíada e Odisséia de Homero, uma biografia.
Coleção Livros que Mudaram o Mundo. Rio de Janeiro:
Jorge Zahar Editor, 2008. pág.8)

Nenhum comentário: