domingo, 18 de setembro de 2011

o campo de flores


 
Apodrecidas as flores do jardim
o relento e o vento arrastado
habitam os cadáveres florais

alguém leva as últimas flores
para sua primeira donzela
que sente o desejo e o medo
do prazer e do pudor
ainda escondidos nas flores
de seu corpo


[in uns poemas, 1999]

Nenhum comentário: