terça-feira, 12 de julho de 2011

os prefácios

[adriano lobão aragão]



§. α

ave eva
te assisto na nudez que desvela
este íntimo diálogo cultivado
num jardim de esquecidos anseios morais
onde se morre de corpo e de alma
em pequena vastidão de pecado e perdão



§. ω

reviver
a odisséia de cada dia despertar
na inútil batalha de se perder
e se me acompanha a lança em sangue adornada
é dádiva da diva dama a quem se deva adorar



§. ∞

em silêncio ecoa teu ardor de êxtase de dor e gozo
enquanto marchamos solitários para longe dos paraísos reviver

ave eva






[in ave eva]

Nenhum comentário: