quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Jogo de Sombras, Ian Curtis

 



IAN CURTIS

Coração e Alma

Instintos que ainda podem nos trair,
Uma jornada que conduz ao sol,
Desalmado e determinado à destruição,
Uma luta entre o certo e o errado.
Assuma meu lugar na hora da verdade,
Eu observarei com um olhar piedoso,
Eu pedirei humildemente perdão,
Um pedido muito além de mim e você.

Coração e alma, um arderá.
Coração e alma, um arderá.

Um abismo que se ri da criação,
Um circo completo com todos os tolos,
Fundações que duraram eras,
Depois arrancadas pelas raízes.
Para além do bem está o terror,
O aperto de uma mão mercenária,
Quando a selvageria torna todo o bem razão,
Não há volta, nenhum último refúgio.

Coração e alma, um arderá.
Coração e alma, um arderá.

A existência, sim, o que importa?
Eu existo da melhor maneira que posso.
O passado agora é parte do meu futuro,
O presente está bem fora de alcance. 
O presente está bem fora de alcance. 

Coração e alma, um arderá.
Coração e alma, um arderá.
Um arderá, um arderá.
Coração e alma, um arderá.


Jogo de sombras (Shadowplay)
Ian Curtis
Tradução de Gleiton Lentz
Edição bilíngue
Nephelibata/2010

Nenhum comentário: