quinta-feira, 10 de setembro de 2009

O Aleph de Borges



O Aleph
Jorge Luis Borges
[São Paulo, Companhia das Letras, 2008]

A escrita de Borges fantasia a linguagem, nos leva a inúmeros mundos que se sobrepõem sem se excluir, como o “aleph” mencionado no último conto desse volume. Ao mesmo tempo erudito e lúdico, essa sua grande virtude, a fluência que imprime em seus contos possibilita alçar intricados labirintos literários sem sair da simplicidade quase tátil das fábulas, das lendas e das sublimes histórias atemporais. Leitura obrigatória.



/

5 comentários:

Anônimo disse...

Colega, amei seu Blog! também tenho um, onde escrevo...escrevo...e escrevo! lateralmente, faço enquetes divertidas pro meu dileto leitor!
ficarei feliz se visitá-lo .www.flordolaciospc.blogspot.com, vá rolando a página, cada uma, outra surpresa! felicidades...Sandra Prado

Adriano Lobão Aragão disse...

Obrigado pelo elogio, Sandra.

Gostei das enquetes do seu blog.

Mara Vanessa disse...

Jorge Luís Borges apareceu para mim com a exuberância de "A Loteria da Babilônia". E nunca mais se retirou. :)

Adriano Lobão Aragão disse...

"A loteria na Babilônia" é meu conto favorito de Borges. Está no magnífico Ficções.

J.L. Rocha do Nascimento disse...

Me associo aos admiradores do gênio argentino. O imortal, é o meu preferido no livro "O Aleph". Agora, penso que "Ficções" é a sua obra máxima. Destaque também para o "História Universal da Infâmia". indicado para aqueles que querem iniciar o mergulho no universo borgiano.