segunda-feira, 27 de abril de 2009

Sophia de Mello Breyner Andresen




Sophia de Mello Breyner Andresen (Porto, 6 de Novembro de 1919 — Lisboa, 2 de Julho de 2004) foi uma das mais importantes poetisas portuguesas do século XX. Foi a primeira mulher portuguesa a receber o mais importante prêmio literário da língua portuguesa, o Prêmio Camões, em 1999.



Fundo do mar

No fundo do mar há brancos pavores,
Onde as plantas são animais
E os animais são flores.

Mundo silencioso que não atinge
A agitação das ondas.
Abrem-se rindo conchas redondas,
Baloiça o cavalo-marinho.
Um polvo avança
No desalinho
Dos seus mil braços,
Uma flor dança,
Sem ruído vibram os espaços.

Sobre a areia o tempo poisa
Leve como um lenço.

Mas por mais bela que seja cada coisa
Tem um monstro em si suspenso.


__________
Obra poética I. Lisboa: Caminho, 1998, p. 50.

2 comentários:

Anônimo disse...

Um fundo de mar de "brancos pavores"! Sophia dominava sua arte.

Wanderson

Mara Vanessa disse...

Eu não conheço o trabalho de Sophia de Mello Breyner. Portanto, fica a dica.

O que eu achei extremamente interessante nesse poema é o formato que as palavras assumem, dando características de monstros, quase deuses, às pequenas coisas.