domingo, 4 de janeiro de 2009

amálgama #6 - 3 Crônicas de Hélio Consolaro [03]

- Publicado em amálgama #6, março de 2008



BIBLIOTECA VOLANTE
[Hélio Consolaro]





A leiturização é objetivo de todo o processo de alfabetização, por isso as cartilhas foram eliminadas. Na concepção moderna, a pessoa não é alfabetizada porque aprendeu a escrever apenas 200 palavras, aquelas ensinadas pela cartilha.

O processo antigo de alfabetização nos dava essa ilusão. Atendeu aos objetivos de um Brasil rural. Agora, o país é essencialmente urbano, estamos na cultura da escrita. Saber ler apenas um bilhete já não é suficiente, e nem dominar apenas um idioma.

O aprendiz está leiturizado quando consegue ler um texto mais ou menos longo e entender a mensagem contida nele, como fazer relações com outros textos e com contexto externo. Isso quer dizer que o processo de alfabetização termina formalmente no 9.º ano do ensino fundamental. Leiturizar é alfabetizar por meio de textos, como se aprende a segunda língua.

Os professores do fundamental II, de qualquer matéria, são também alfabetizadores, precisam se empenhar para que os alunos dominem bem o idioma. Isso não é competência exclusiva do professor de Português, como se ele fosse o dono da língua. A escola toda necessita se empenhar na leiturização de seus alunos.

Devido à falta de habilidade de leitura é que os alunos brasileiros vão mal nas provas do PISA (Programa Internacional de Avaliação de Alunos). E o insucesso dos jovens não deve ser atribuído apenas à escola, mas à comunidade e aos responsáveis pela cultura em cada cidade.
As grandes empresas possuem biblioteca em suas dependências para que seus funcionários tenham acesso a livros, jornais e revistas? As igrejas e centros comunitários têm o cantinho de leitura? Nem que sejam apenas livros religiosos? A prefeitura de Sorocaba instalou uma biblioteca no terminal rodoviário para facilitar o empréstimo de livros aos moradores da cidade.

A prefeitura de sua cidade renova constantemente o acervo da biblioteca municipal existente? Em Araçatuba, temos uma só biblioteca, com uma população de 200 mil habitantes, não há bibliotecas nos bairros e nem as volantes, instaladas em ônibus. O secretário de Cultura e o prefeito também são responsáveis pelo insucesso de alunos de Araçatuba no PISA, porque não facilitam o acesso de crianças e jovens aos livros.

Em vários municípios, as prefeituras têm bibliotecas volantes que percorrem bairros. Elas são instaladas em ônibus e emprestam livros, dando apoio ao hábito de leitura, desenvolvido pela escola.

Nas eleições municipais de 2008, precisamos exigir dos candidatos a prefeito que contemplem em seus programas de governo as questões culturais, principalmente a leiturização de nossas crianças e de nossos jovens.

Nenhum comentário: