segunda-feira, 5 de janeiro de 2009

6 poemas de Sebastião Edson Macedo [01]

- Publicado em amálgama #6, março de 2008




_______________________
Sebastião Edson Macedo nasceu em 1974 em Floriano, interior do Piauí.
Mora atualmente no Rio de Janeiro, onde publicou o livro cego puro sol
na antologia 8 poetas (UFRJ / FL, 2004)
e para apascentar o tamanho do mundo (Oficina Raquel, 2006).




- Os poemas a seguir foram extraídos de para apascentar o tamanho do mundo.


PÓRTICO


uma parte de ti eu reconheço porque se repete
duas ou três cadeiras para a mesma janela
um ou outro degrau de diferença
na medida em que corres à prosa

mesmo assim tu insistes em te sentar diante do sol
da água da flor da pedra
insistes em dar uma cor ao momento como se
bastasse a cadência
bastasse de ti apenas a temperança
o outro

eu te pergunto se é esse o laurel
e se tocas sempre assim aquilo que repartes em sílabas
e pássaro

porque outra parte de ti eu não posso supor pela ponta
nem alcançar através do silêncio
posto que não há silêncio quando tu abres o caderno
e arrastas as cadeiras
na tua glosa escusa
escusa

_________


eu abro os rolos do vento no teu ouvido

e na flor muito lenta trabalho
não o seu sentido para o perfume
que invade o teu presente e te arrasta
mas o seu poder de chão que permanece
mesmo no vôo do pólen na raça
do espinho
e na couraça de água que desgarra e une
muitos
nossos dias
cheios de urgências despertadas
por estes mesmos perfumes
súbitos anzóis

eu moro uma palavra em tua mão peregrina


_________


AMÊNDOAS SECRETAS


soletra amêndoas secretas
para que eu me deite em tua boca
onde películas incendiadas
e âmbar
o meu fulgor

soletra
que desmaiam orquídeas
avançam vazantes no corpo
levam

soletra
para que eu descubra aonde
e beba

Nenhum comentário: