quinta-feira, 30 de outubro de 2008

Viola Chinesa - Camilo Pessanha


ilustração: Pessanha, óleo de Adriano Lobão Aragão, 1999

VIOLA CHINESA
(A Wenceslau de Moraes)
[Camilo Pessanha]

Ao longo da viola morosa
Vai adormecendo a parlenda
Sem que amadornado eu atenda
A lenga-lenga fastidiosa.

Sem que o meu coração se prenda,
Enquanto nasal, minuciosa,
Ao longo da viola morosa,
Vai adormecendo a parlenda.

Mas que cicatriz melindrosa
Há nele que essa viola ofenda
E faz que as asitas distenda
Numa agitação dolorosa?

Ao longo da viola, morosa...

Um comentário:

Samela Anicetto disse...

curti muito o poema , muito lindo