quinta-feira, 2 de outubro de 2008

amálgama #3 - outras palavras [03]

- Publicado originalmente em amálgama #3, maio de 2002.






Rio Encanto
por Abdenaldo Rodrigues



Entre o céu e a terra, o mistério: o rio que corre torto, carregando no lombo a sina. Na Chapada do Corisco, comentários não faltavam. A cabeça, grande e lodosa, emerge em noites de lua cheia nas águas barrentas do Parnaíba.

Na beirada do rio, um pé-de-cujuba. Debaixo, a curiosidade remoendo.

Primeiras noites de fevereiro, caiu chuva de matar sapo afogado. O rio está cheio – geme no meio da madrugada. A cidade dorme sob a lua clara. Só não dorme a curiosidade.

Perto do rio, no casebre de palha, mora a madrinha. Preocupada, alertou:
- O rio tá gemendo, Da Paz. Vamos ter afogado por esses dias. Espere só e me conte.

Debaixo do cujubeiro desfolhado, a curiosidade não tem jeito, remói que queima.
- Tu acredita no Cabeça-de-Cuia, Genésio?
- Ora, deixe de bestice, Da Paz... Isso é conversa de gente tola.

Genésio também mora no casebre. É enteado da madrinha. Tem esquisitices: gosta de beber ovo na casca; quando fica nervoso, esfrega as costas das mãos nos lóbulos das orelhas. Não larga do pé de Da Paz.

Na tarde quente, o rio desce dolorido e feroz. A curiosidade entranhada aumentando, remoendo. Remói tanto, que não se dá conta da mão escorregadia de Genésio, apalpando as pernas roliças, o sexo latente. Mas Da Paz é arisca e pula lá!

- Pára, Genésio! Se não conto pra madrinha.
- Ora, deixe de bestice, sua tonta. Não vai me deixar no ora-e-veja, não!

Correu, correu, correu... Da Paz não é tonta, é arisca. Quieta, no refúgio do emaranhado de galhos finos e desfolhados, vidrava os olhos nas águas sedutoras.

No casebre, a madrinha no mesmo agouro: “Vai morrer gente, esperem só pra ver!”

No outro dia, à tardinha:
- Boca-de-forno!...
- Forno!...
- Se eu mandar!...
- Vá!
- Se não for?...
- Apanha!
- Remando, remando, remando... Quem tirar uma cujuba do cujubeiro da beirada do rio!

Correu, correu, correu... Da Paz é arisca.

O cujubeiro, árvore velha e torta, de poucas folhas e cujubas grandes, que mais pareciam a cabeça do Genésio. Lá, a curiosidade remoia que doía no juízo.

Genésio é calado. Não fala sobre o encanto. Foi encontrado detrás do galinheiro, bebendo ovo de pata. Da Paz não resistiu e perguntou:

- Quem plantou, Genésio, quem plantou o pé-de-cujuba na beirada do rio?

Esfregando as orelhas com força, Genésio fugiu da pergunta:
- Ora, deixe de bestice!

O Parnaíba – rio dos gemidos e dos segredos. Lá, o mistério. Êta lugar pra sumir Marias! Redemoinho que traga, mão que puxa... Tantas já se foram: Das Neves, Da Cruz, Do Amparo... Todas creditadas ao Cabeça-Encantada.

A madrinha sabia do perigo. Não descuidava:
- Não vá pra beirada do rio, Da Paz! Tá cheio e as barreiras tão frouxas.
- Tem nada não,madrinha, fico de longe!

Que nada, de longe não tem graça nenhuma. Precisava saber.

(Já se foram quantas?)

- E a Dos Santo, hein Genésio?
- Ora, aquela lá não sabia nadar, não!

Muito vivente tinha visto a cabeça grande e lodosa – em forma de cuia. Era o estranho morador do Parnaíba – guardião das águas e terror das Marias puras. O ingrato matou a mãe. A velha, na agonia da morte, ainda teve forças para jogar a praga certeira – a praga das sete Marias virgens.

(Amaldiçoado do filho que bate na mãe!)

- Já se foram quantas, Genésio?...

Na boca-de-noite, do dia seguinte:
- Um, dois, três... quatro, cinco, seis! Quem chegar ao pé-de-cujuba por último foi o Crispim quem fez!

Correu, correu, correu... Da Paz é arisca!

- Ora, deixe de bestice, Da Paz. Pro rio não vou, não.

A madrinha dorme. O rio geme – desce revolto na chapada. A lua alta e clara... Clara, que do cujubeiro a curiosidade vê o redemoinho se fazendo.

Na manhã do outro dia, a madrinha pressentiu:
- Cadê a Da Paz, Genésio?
- Ora!...

Nenhum comentário: